A Força Tarefa da operação Lava Jato está com farto material acusatório para levar para a cadeia simultaneamente 4 ex-presidentes do Brasil. Lula, Dilma, Temer e Collor podem terminar sua vida política atrás das grades.

A condenação de Lula acendeu o alerta vermelho em políticos que se achavam intocáveis. A operação Lava Jato ao condenar o maior líder político da Esquerda no Brasil demonstrou que nenhuma pessoa está acima da lei.

A condenação a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz federal Sergio Moro, nesta quarta-feira, não mandará o petista automaticamente para a cadeia. Isso porque Moro é um juiz de primeira instância e, assim, sua decisão não basta para que a pena seja cumprida imediatamente.

Toda decisão que o “juiz da Lava Jato” toma em primeira instância é depois revisada, em segunda instância, pelos desembargadores do Tribunal Regional da 4ª Região (TRF4) João Pedro Gebran Neto, relator da operação, Leandro Paulsen e Victor Luiz dos Santos Laus, membros da 8ª Turma da Corte sediada em Porto Alegre.

O trio da segunda instância é muito mais duro que o juiz Sergio Moro. A pena de Lula provavelmente será confirmada e ampliada. Ele ficará fora das eleições de 2018 e com ele levará mais três ex-presidentes que lhe foram muito próximos durante os anos em que o petismo conduziu os rumos políticos do Brasil.

Pesa sobre Michel Temer fortíssimos indícios de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de justiça. Somente com as provas levantadas até agora ele pode pegar até 33 anos de cadeia.

Contra Dilma Vana Rousseff pesa mais fortemente a acusação de tentativa de obstrução da Justiça. Tal acusação fundamenta pela Policia Federal do Brasil aponta tentativa de blindar o ex-presidente Lula e barrar os processos em que ele está envolvido na Operação Lava Jato ao nomeá-lo como ministro.

Embora contra Dilma ainda existam investigações sobre o caixa dois em suas campanhas eleitorais ela é a que possui mais chances de se livrar das garras da justiça. Caso seja condenada por obstrução da Justiça, sua pena será de até 3 anos de reclusão. Como as penas inferiores a 4 anos de reclusão são substituídas por penas são substituídas por prestação de serviços a comunidade. Ela precisa de mais uma condenação para de fato se juntar ao time dos ex-presidentes presos.

O ex-presidente Fernando Collor de Melo (PTC-AL) é acusado pela Procuradoria-Geral da República de ter recebido ao menos R$ 29 milhões em propinas entre 2010 e 2014 referentes a dois contratos da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobrás que, segundo revelaram as investigações da Lava Jato, também teria sido palco de um esquema de corrupção e loteamento de cargos políticos de maneira similar ao que ocorreu na estatal petrolífera.

Agora Collor tem um conjunto pesado de acusações de peculato e lavagem de dinheiro. Pode ser condenado a 47 anos de cadeia em regime fechado.

Como podemos notar a operação Lava Jato está passando a limpo a história do Brasil. Se os políticos não abafarem a operação teremos uma depuração dos processos políticos e um novo Brasil surgindo das cinzas.

Comentários

Comentários

Epa!! Não vai embora não!

Gostou desse artigo? Clique aqui e cadastra-se para receber nossas atualizações.
1 .Clique; 2. Preencha seu e-mail, 3. Valide o e-mail recebido.

Compartilhe essas publicação com o seus amigos, eles também vão gostar!