O assessor especial do presidente Michel Temer que foi flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil teve o pedido negado pela Polícia Federal, e como qualquer outro preso teve o cabelo raspado.

Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor especial do presidente Michel Temer (PMDB) e deputado afastado, apareceu de cabelo raspado em uma foto tirada nesta sexta-feira, enquanto ele deixava a sede da Polícia Federal em Brasília após prestar depoimento. A defesa de Rocha Loures, que está preso desde sábado, havia pedido ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator da Lava Jato, que o cabelo do ex-assessor presidencial fosse preservado, garantindo “um mínimo de dignidade e privacidade”.

acabe com dores

Rocha Loures, que foi gravado correndo com uma mala recheada com 500 mil reais, entregue por um executivo da JBS em um restaurante, foi transferido para o complexo penitenciário da Papuda nesta quarta-feira. O “homem da mala”, como ficou conhecido, permaneceu calado durante a oitiva, na qual foi questionado por investigadores como parte do inquérito da Operação Patmos, que mira ele e o presidente Michel Temer.

Rodrigo Rocha Loures, ex-deputado, de cabelo raspado

Na petição que a defesa do ex-assessor do presidente enviou a Fachin, o advogado Cesar Bitencourt pediu para que seu cliente não tivesse o cabelo raspado para evitar que o transformem num “troféu aos famintos que desejam saborear um banquete de espetacularização”. Segundo relata a defesa, Loures não queria se tornar um novo Eike Batista, que teve o implante raspado ao ser transferido para a penitenciária de Bangu 9, no Rio de Janeiro.

Comentários

Comentários